apartamento

Amigos Que compartilham suas vidas

O Apêzinho

O Apêzinho

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Fomos 3... meu pequeno Guerreiro Gui

Oi minhas amadas, hoje queria compartilhar um pouquinho da minha história, um pequeno espaço de tempo que tudo virou de cabeça para baixo, perdi meu chão e ainda estou tentando superar...

Hoje resolvi abrir o blog depois de tantos meses, quantos recadinhos sem respostas e que já nem faz mais sentido responder pois com certeza vocês já acharam uma resposta né....
Bom vamos lá alguém aí quer ler uma longa história? Então senta aí e pega o lencinho pois com certeza as lágrimas vão escorrer, assim como acontece comigo todos os dias....

Tudo começou em junho de 2016!
A nossa tão sonhada risquinha rosa estava lá.... positivo!!!! 
Quanta alegria!!!



Aquele dia nasceu mais belo, lembro como se fosse hoje, até tirei uma foto do céu para agradecer à Deus, depois de um ano e meio de tentativas nosso positivo estava ali em minhas mãos, dentro de mim já existiam dois corações, quanta felicidade nosso sonho enfim iria se realizar.



 A ansiedade era muita e não consegui esperar pelo ultrassom, fiz a tão famosa sexagem e descobri que nosso pequeno era um menino, nosso príncipe, nosso Guilherme... 


Começamos a deixar tudo pronto, escolhemos a cor do quartinho, roupinhas, brinquedos. Tivemos uma gestação muito tranquila, sem enjoos, sem vômitos e até sem desejos.




 E no quarto mês de gestação foi quando tudo começou, minha pressão passou a oscilar, foram várias visitas ao cardiologista, aumentando a dose das medicações, até que conseguimos manter a pressão normalizada. Em um ultrassom de rotina fiquei muito preocupada pois apareceu um tal de Golf Ball os médicos dizem que não é nada, mas se não fosse nada não precisava ser dito, outro susto tivemos quando foi realizado o morfológico, a Dra não conseguia visualizar o átrio direito pediu para me levantar e dar uns pulinhos para meu bebê mudar de posição para ter melhor visualização, mas mesmo assim não conseguiu e solicitou um Eco quando completasse 28 semanas. 





Saí de férias do trabalho para relaxar, sem estresse, só curtindo meu filhotinho dando piruetas dentro de mim e quando tudo parecia bem, minha pressão arterial não ajudou e descompensou novamente, fomos para o hospital mas fui avaliada somente com torcicolo, confesso que realmente achava que era somente isso, mas minha dor continuou e no outro dia fiquei internada com diagnóstico de pré eclampsia. O medo tomou conta, pois sabia de todo risco que corria, estava apenas com 24 semanas quando ficamos 17 dias internados tentando segurar o máximo possível para meu Gui crescer, muitas medicações e minha pressão ainda não estava boa, papai terminou seu quarto enquanto mamãe estava internada, ficou lindo, tudo pronto só esperando nosso príncipe chegar, titia fez nosso chá de bebê no hospital tudo surpresa, foi tão lindo, toda família estava presente.

Em outro ultra me falaram que havia centralização onde meu Gui estava recebendo pouco oxigênio...
Mas nosso maior problema foi dia 1 de dezembro de 2016 quando minhas plaquetas caíram muito e o diagnóstico que nenhuma mãe quer ouvir Síndrome de Hellp, nossa obstetra disse que o parto seria naquele dia, com apenas 26 semanas, como seria possível um bebê tão pequeno, mas nossa esperança era gigantesca...

 E com apenas 635 gramas e 30 centímetros meu Gui nasceu, não tive a oportunidade de tê-lo ao meu lado, não senti seu cheiro, não dei um beijo, apenas me mostraram ele de longe e correram para entubar. 



Ficamos tão felizes quando meu leite desceu, quanta emoção nunca pensei que fosse ter tanto leite, tantas mães que conheci com bebês maiores e não tinham leite suficiente ou então nenhuma gota sequer.... era muito triste.
 E por sonda meu príncipe tomava meu leite, começou com 0,5 ml, era tão mágico, isso te faria tão bem, como é importante o leite materno, pensei várias vezes que tomar meu leite seria o suficiente para tudo dar certo e você iria logo para casa.

Continuei internada alguns dias, e a todo momento queria ficar ali ao lado da sua incubadora, como meu Gui era lindo, tão pequeno, tão frágil, nosso filho nasceu, demorou para cair a ficha e pensávamos tudo bem com 35 semanas ele vai ter peso suficiente e vai para casa, mas não foi bem assim que nossa história foi escrita.... Deus tinha outros planos em nossas vidas.
 No dia seguinte foi quando tiraram nosso chão mas não nossa fé, os médicos nos chamaram e nos contaram qual realmente era seu problema, até então pensamos que nosso Gui era somente um bebê prematuro, mas não, nosso príncipe era também cardiopata!

Acho que não vou conseguir terminar essa história hoje gente..... 

As lágrimas aqui não permitem, mas vou voltar sim e    contar até o final, mesmo não sendo o final que queria para nós.....
Beijinhos e boa noite!!!

4 comentários:

  1. Sim,sua previsão estava certa, chorei...
    Estou grávida de 26 semanas....
    Um nó na garganta por vocês...
    Deus cuide dos seus corações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada amada, que Deus abençoe sua gestação e sua família!

      Excluir
  2. Nossa Pri não sabia que estava passando por tudo isso, fiquei muito triste.. mas cada um tem sua missão nessa Terra, somos apenas um grãozinho de areia nesse infinito... Deus há de cuidar de vcs. Um grande beijo

    ResponderExcluir

Dê uma espiadinha nesses aqui......